Gargantilhas

Gargantilhas



GARGANTILHA EM OURO 18K COM DIAMANTES E ESMERALDAS...

FRETE GRÁTIS

R$ 11.117,1511.117.15 à vista no boleto ou

10x de R$ 1.307,90 sem juros

GARGANTILHA ELOS - 0266GAR (1757H)

FRETE GRÁTIS

R$ 22.066,0022.066.00 à vista no boleto ou

10x de R$ 2.596,00 sem juros

GARGANTILHA COM PEDRAS COLORIDAS - 279GA (0191H)

FRETE GRÁTIS

R$ 2.795,652.795.65 à vista no boleto ou

10x de R$ 328,90 sem juros

Gargantilha com Diamantes e Topázio Azul - 281GA (...

FRETE GRÁTIS

R$ 11.537,9011.537.90 à vista no boleto ou

10x de R$ 1.357,40 sem juros

A descoberta das lavras de ouro nas Minas Gerais, nos finais do século XVII e início do século XVIII, seguidas dos achados em Jacobina e no Rio das Contas na Bahia, nos de Forquilha e Sutil no Mato Grosso, e o que se extraiu no sertão de Guaiás em Goiás, foi o acontecimento mais espetacular da história econômica do Brasil colônia enquanto provocou enorme repercussão, tanto para a própria metrópole como para boa parte do mundo. Desde os primórdios da colonização, acreditava-se que o Brasil tinha ouro e outros metais e pedras preciosas. Só que, passados já dois séculos de ocupação, não haviam sido encontrados em volume significativo.

Lentamente, como vimos, a economia colonial abandonou sua predominância extrativista e coletora dos primeiros tempos, do tráfico com pau-brasil e das drogas do sertão, para uma exploração mais racional e estável, graças à implantação dos engenhos de açúcar e das lavouras de tabaco que se espalharam por todo o litoral do Nordeste.

Nossa população, ao redor do final do século XVII, era estimada em uns 300 mil povoadores (calcula-se que havia ainda 1.500.000 de índios), grande parte deles concentrados no Nordeste. Outro pequeno núcleo populacional encontrava-se no Planalto de Piratininga, na atual São Paulo, formado pelos bandeirantes. Tipos mamelucos que se dedicavam a prear índios pelo sertão afora, indo inclusive atacar as missões guaranis, organizadas pelos jesuítas desde os séculos 16 e 17, no Paraguai e no atual Estado do Rio Grande do Sul.

Foi nesse quadro, de limitado progresso econômico (os portugueses começavam a enfrentar a concorrência da produção colonial dos holandeses, franceses e ingleses, que implantaram engenhos açucareiros nas Antilhas ), que a Coroa determinou a pressionar seus funcionários e demais habitantes no sentido de estimula-los, particularmente os paulistas, a que desbravassem o sertão em busca do precioso ouro.